segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Abdominoplastia - A Cirurgia Plástica Mais Procurada


Depois de algum tempo, estou de volta. Mesmo sem tempo para postar, ainda resolvendo os problemas de ter muitos clientes e pouco tempo para cada um, resolvi voltar aqui para deixar algo bom para vocês lerem enquanto eu tento migrar para o endereço próprio.

Pesquisando sobre os assuntos do momento, descobri que a grande procura por cirurgia plástica vinha fazendo com que blogs especializados fizessem bastante artigos sobre o caso, mas como não sou bom em matérias de cirurgia em geral, resolvi pesquisar e achei um artigo completo no site da revista Boa Forma. Muito bem escrito pela Marcia Kedouk, vale a pena investir dez minutinhos do seu tempo para ler sobre os benefícios da abdominoplastia.



Há pouco tempo atrás, a grande parte da procura pela cirurgia plástica no abdômen era de quem teve filho e queria acabar com a flacidez deixada pelo barrigão. Nos dias de hoje, o procedimento já ultrapassou a colocação de prótese de silicone nos seios e está em segundo lugar na lista de desejos das mulheres de 18 a 45 anos, atrás apenas da lipoaspiração. É o que mostra um estudo feito pelo instituto de pesquisas Ideafix, a pedido da Mentor Worldwide LLC, fabricante de produtos médicos. Das 400 entrevistadas, 73% elegeram a barriga como a parte do corpo da qual menos gostam. Por isso, não surpreende o fato de a lipo ser a campeã no ranking de intenções, com 32,3%, seguida de perto pela abdominoplastia, com 31,5%.
O crescimento do número de obesos no país que se submetem a dietas radicais ou fazem a cirurgia bariátrica, recorrendo à medicina estética para dar conta do excesso de pele que fica na região, ajudou a alavancar a procura. "Em geral, a maioria tem expectativas realistas em relação aos resultados da abdominoplastia, mas muitos chegam ao consultório sem ter ideia de que vão ficar com uma cicatriz", explica Bárbara Machado, chefe da equipe médica da Clínica Ivo Pitanguy, no Rio de Janeiro. O salto na demanda ajudou a aprimorar a cirurgia de tal forma que agora é possível personalizá-la. "Existem técnicas associadas que permitem realizar intervenções, maiores ou menores, de acordo com a necessidade de cada paciente", explica o doutor em cirurgia plástica Ronaldo Golcman, chefe de equipe do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. E a cicatriz, que antes era temida até mesmo por quem procurava procedimentos menos extensos, agora podem ser disfarçadas na altura do púbis e escondidas no umbigo. Mesmo assim, não é uma operação para todas, avisam os médicos. Conversamos com alguns dos maiores especialistas no assunto para saber por quê.

Como é feita a abdominoplastia? Quando a mulher engravida ou engorda muito, o abdômen dilata e os músculos da região se afastam. Depois que o bebê nasce ou os quilos vão embora, eles podem voltar ao normal ou, então, permanecer um pouco separados. "Nesse caso, reposicionamos essa estrutura ao fazer uma costura com vários pontos, chamada de plicatura", explica o cirurgião Wilson Cintra Júnior, do Hospital das Clínicas, em São Paulo. O excesso de pele é puxado para baixo e cortado. Depois, a costura é feita horizontalmente, na altura dos pelos pubianos, e o buraquinho do umbigo é refeito.

Verdade que a cicatriz é muito grande? Depende. Quanto menor a retirada de pele e de gordura, menor o tamanho da marca. "Além disso, não dá para prever exatamente se ela vai ficar mais suave ou perceptível porque depende da genética da paciente", explica Bárbara Machado. "Digo sempre que há uma troca: você melhora o contorno do corpo e, com isso, ganha uma cicatriz que pode, sim, ser extensa, às vezes de ponta a ponta da barriga."

Existe alguma contraindicação para a operação? "Não se faz a cirurgia em menores de 18 anos", diz Cintra Júnior. "Se o paciente tiver alguma restrição alérgica, anestésica ou problemas de coagulação, também não pode se submeter ao procedimento. "Os fumantes precisam passar por uma avaliação ainda mais rigorosa do que a habitual porque a nicotina contrai os vasos sanguíneos e atrapalha a irrigação dos tecidos.

Quem não teve filhos, mas planeja ser mãe, pode recorrer à técnica? Não é o ideal, mas pode. "Com a gravidez, os músculos vão se afastar novamente, porém, menos do que antes. A flacidez também será menor", diz Cintra Júnior. Uma mulher que nunca engravidou, mas já foi obesa, por exemplo, passa pelo mesmo processo de afastamento da musculatura que a gestante enfrenta. Se o emagrecimento foi rápido, como costuma acontecer depois da cirurgia bariátrica, a sobra de pele pode ser maior. E aí vale consultar um cirurgião de confiança para verificar se o procedimento é indicado nesse caso. Mas definitivamente não é o tipo de cirurgia para quem não tem excesso de flacidez abdominal e quer apenas perder a barriga. Se dieta e exercícios físicos não derem conta, o profissional pode recomendar a lipoaspiração.

Como saber se a abdominoplastia é técnica mais indicada para alisar o abdômen? "Fique de pé e leve o tronco levemente para a frente. Se conseguir segurar somente a pele da região abaixo do umbigo, converse com seu médico sobre a possibilidade de fazer a abdominoplastia", diz Golcman. Se não conseguir, mas perceber flacidez, pode ser o caso de uma miniabdominoplastia. O procedimento é o mesmo, só que em uma área bem menor e, em alguns casos, sem a necessidade de costurar o músculo.

Ouvi dizer que as famosas fazem logo após o parto. Pode? Não. "A mulher que dá à luz tem um período de aproximadamente 40 dias de puerpério, em que acontece uma série de alterações na coagulação, na parte hormonal e na retenção de líquidos", afirma Cintra Júnior. Por isso, não se deve fazer nenhum tipo de cirurgia estética nessa fase.
"Depois, se a paciente voltar à atividade física, vai recuperar o contorno corporal e pode nem precisar da operação." É por isso que os cirurgiões aguardam, em média, seis meses para avaliar a necessidade do procedimento.

A operação acaba com as estrias do abdômen? "Se elas estiverem na parte que for retirada, geralmente abaixo do umbigo, sim. Caso contrário, pode acontecer apenas de melhorar o aspecto delas, mas nada vai fazer com que sumam", diz Cintra Júnior.
Quanto tempo dura a cirurgia? "De uma hora e meia a três horas e meia", diz Golcman. O período de internação fica em torno de 48 horas.

Como é o pós-operatório? "A recuperação dura entre 15 e 21 dias, quando já dá para voltar a dirigir e trabalhar. Só não vale pegar peso. Se houver plicatura dos músculos, o período sobe para um mês", afirma Golcman. Como os hematomas demoram até quatro meses para desaparecer, nada de praia nessa fase, já que o sol causaria manchas. Além disso, o tecido traumatizado pela técnica invasiva cria todas as condições para a retenção de líquidos. Para diminuir o desconforto e o inchaço, o cirurgião recomenda sessões regulares de drenagem linfática a partir de sete dias da operação. "Também ocorre uma leve perda de sensibilidade na região durante os primeiros meses", alerta Bárbara, da Clínica Ivo Pitanguy.

Depois de quanto tempo dá para voltar a fazer exercícios? "Costumo pedir para esperar dois meses. É o tempo médio de cicatrização interna e externa", diz Bárbara. O ideal é aguardar a liberação do médico.

Como manter o resultado? "São dois os segredos: o primeiro é manter o peso ou até emagrecer - o que não pode é engordar depois da cirurgia, o que, claro, compromete o resultado. O segundo é fazer atividade física para melhorar o tônus muscular do abdômen", diz Golcman.

As pessoas percebem quem fez abdominoplastia? "Com as técnicas cada vez mais avançadas e os resultados naturais, o único jeito de saber é vendo a cicatriz. Nas intervenções menores, ela é facilmente escondida sob o biquíni", explica Golcman. "Até mesmo a marca ao redor do umbigo, que antes ficava mais perceptível, tem tido um ótimo resultado", acredita Bárbara. É claro que tudo isso vai depender da técnica e da experiência do cirurgião plástico. Por isso, vale pedir indicação de amigas que fizeram o procedimento, visitar mais de um cirurgião e checar se o médico é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Cada corpo, uma sentença Existem três tipos principais de abdominoplastia, que o especialista pode empregar de acordo com cada caso. Entenda as diferenças:

Clássica Indicada para quem teve filho ou emagreceu radicalmente - por exemplo, depois de uma cirurgia bariátrica. É realizada com a costura dos músculos abdominais, que se afastam quando o abdômen se dilata na gravidez ou quando há obesidade. Depois, o médico puxa a pele que está sobrando, corta e costura na linha do púbis. A parte que recobre o umbigo também precisa ser cortada e pregada novamente. As cicatrizes dependem da extensão do procedimento. Se o motivo da operação é recuperar a forma depois da gravidez, as marcas costumam ser pequenas e ficam disfarçadas sob o biquíni e o umbigo. Para ex-obesos, elas são bem maiores, podendo se prolongar de ponta a ponta da barriga, já que há bastante pele em excesso.

Miniabdominoplastia Se a sobra de pele é muito discreta, concentrada na parte inferior do abdômen, a opção é a miniabdominoplastia. Em muitos casos, nem é preciso costurar a musculatura, mas o restante do procedimento é o mesmo, inclusive em relação ao pós-operatório. A diferença é que, como se retira pouca pele, a cicatriz é menor.

Lipoabdominoplastia Quando há gordura localizada, o médico pode indicar a técnica associada à lipoaspiração. Primeiro, ele retira a gordura e depois dá conta da flacidez. Se o objetivo for remodelar toda a região, a lipo é feita também na cintura e no quadril (a lipoescultura) e, só então, se faz a abdominoplastia.
Gostou da matéria? Compartilhe com seus amigos. Deixe seus comentários e nos diga o que achou.

Quer ler o artigo original? Clique aqui.